vamos combinar uma coisa?

Em uma parceria, tenho que entender que as duas partes são humanas, as duas partes possuem fraquezas, potencialidades e individualidades.

Temos pontos convergentes. Ambos ganham com a parceria, mas depois cada um retorna pra sua casa pra continuar vivendo sua própria vida.

Quando firmo uma parceria com meus alunos do ensino médio, por exemplo, para que se comportem melhor em sala de aula, primeiro ouço o que eles têm a dizer, ficando presente para suas dificuldades e necessidades ao invés de impor regras de conduta em que eu falo e eles consentem balançando a cabeça.

Tenho minhas dúvidas quanto à eficácia da imposição de regras…

Decepção, desilusão e fracasso entre outros, também fazem parte da parceria, por isso tenho que entender que meus alunos se comportarão melhor em sala de aula, mas não posso idealizar que agora todos farão todas as suas tarefas, estudarão todos os dias em casa, participarão das aulas perguntando e respondendo e que manterão seus celulares desligados dentro da mochila.

A parceria tem perguntas, respostas e respeito com as opiniões divergentes tanto no sentido de A para B quanto no de B para A.

Tenho sido muito mais feliz conversando antes com as pessoas e verificando se é possível para ela, cumprir o combinado.

Sei que existe o ditado que diz que o combinado não sai caro, mas também sei que muitas pessoas nos dizem “sim” sem pensar apenas para nos agradar e que no final isso gera o efeito contrário.

 

 

 

 

 

 

 

 

nada de errado na morte e sim na vida não vivida

Quando eu era adolescente (segundo o IBGE), eu andava de patins, roller, in-line, não sei por qual nome você conhece.

Essa diversão durou uns dois ou três anos, mas foi muito intensa, fiz muitas amizades, resumindo… coisa de muleque que aproveitou a vida.

Esses dias (ano passado pra ser mais exato, é que dizer esses dias é mais legal), eu estava no shopping e na onda do long board os rollers voltaram para as vitrines.

Parei, olhei, olhei, olhei e já estava entrando pra comprar, mas aí eu pensei… será que comprar um patins vai me fazer voltar no tempo? Comprar vai me trazer toda aquela felicidade novamente?

O que me fazia feliz não era o objeto, ele era apenas um meio, um meio para eu pertencer e ser aceito em um grupo, um meio pra eu me desafiar, um meio pra eu fazer e manter amizades.

Na caixa do patins estava escrito que só vinha o bem material mesmo… mas o que me deu saudades foi todo o fator humano e emocional vivido.

Aos 32 anos de idade, todo saudosista, me lembrei dos 16. Mas eu não posso reviver os 16, senão eu chegarei nos 40 e me perguntarei o que fiz aos 32 e responderei: o mesmo que aos 16.

Agora aos 32, preciso viver os 32, pra quando eu chegar nos 40, me lembrar dos 16 e dos 32.

Quando alguém disser: “na minha época…” ofereça um abraço de consolo, essa pessoa está triste e esquecendo de viver o dia de hoje, que é o único dia possível de se viver.

Fiquei realmente feliz e satisfeito com aquele meu sorriso esboçado meio suspirado que não sai som.